MÉDIA DE GASTOS NA SAÚDE PÚBLICA PATROCÍNIO (SEGUNDO BEBÉ)

/, Saúde/MÉDIA DE GASTOS NA SAÚDE PÚBLICA PATROCÍNIO (SEGUNDO BEBÉ)

MÉDIA DE GASTOS NA SAÚDE PÚBLICA PATROCÍNIO (SEGUNDO BEBÉ)

Você sabia…

Em 2018 segundo o secretário de saúde Humberto Donizete (Bebé), foram gastos aproximadamente 79 milhões de reais só na saúde pública de Patrocínio?

Por lei constitucional o município tem que gastar pelo menos 15% da sua arrecadação com a saúde, no entanto, segundo Humberto Donizete, atualmente estão sendo gastos 22% na rede de saúde pública de Patrocínio. “Nós já estamos colocando mais do que a lei exige, portanto, essa administração deu uma ênfase com a prioridade na saúde”.

O recurso não vem para pagar a unidade X ou Y, ele vem no montante para custear todos os serviços, desde que sejam pelo SUS. Com o recurso, a gestão pode pagar remédios, médicos, reformas de unidades, compra de veículos, entre outros serviços. Contudo, Humberto Donizete faz questão de ressaltar que os recursos vindo da união e do estado sempre não dão para custear todos os gastos e que por isso, entra a verba do município que é acima dos 15% exigidos pela lei.

Segundo o secretário, atualmente a união tem correspondido com aquilo que eles têm que encaminhar para o município, que é chegado de acordo com as produções da rede de saúde pública mas que o estado de Minas Gerais, por exemplo, deve mais de 5 milhões de reais só para saúde.

Sendo assim, o secretário faz questão de dizer que mesmo diante de dificuldades financeiras, dados do ministério da saúde mostra que em 2017 a rede de saúde pública de Patrocínio teve um aumento de 15% nos atendimentos. Já em 2018 os atendimentos chegaram a um aumento de 32%, chegando a realizar 255 mil procedimentos no mês, ou seja, foram realizados mais de 8 mil procedimentos diários. E que por isso, o valor gasto na saúde pública em 2018 foi de R$ 78.657.217,63 (setenta e oito milhões, seiscentos e cinquenta e sete mil, duzentos e dezessete reais e sessenta e três centavos) sendo que, R$ 35.300,00 (trinta e cinco milhões e trezentos mil reais) foram recursos do município.

O secretário de saúde diz que, em 2018 a saúde pública de Patrocínio teve um grande salto e que a atual gestão vai continuar trabalhando com a mesma perspectiva em 2019, mesmo com o estado estando em dívida com o município. “Para cada serviço existe um fluxo muito bem desenhado. O que está faltando é a população ter este conhecimento”.

Contudo, na visão do vice-prefeito Gustavo Tambeline Brasileiro, 35 anos, formado em direito (Universidade Federal de Uberlândia – UFU, 2005), especialista em direito público e filosofia do direito, mestre e doutor em direito público e econômico, Patrocínio é uma cidade que tem grandes potenciais, principalmente de arrecadações financeiras incluindo recurso próprio e transferências governamentais, e que por isso, a gestão deveria estar fazendo muito mais do que vem sendo feito.

Outro ponto que o vice-prefeito chama a atenção é para o setor TFD que segundo ele deveria haver uma maior transparência para que os usuários do SUS pudessem ter controle de quando seriam atendidos.

Setor – Tratamento Fora do Domicílio (TFD)

Se tratando de saúde pública, Patrocínio possui uma grande rede com vários setores que atendem a população, porém, ainda existem alguns casos que não são resolvidos no município. Sendo assim, existe o setor TFD que é responsável por agendar consultas, exames e cirurgias para pacientes que necessitam fazer tratamento fora de Patrocínio através do SUS.

Contudo, este setor é sempre alvo de polêmica, já que muitas pessoas falam que a espera na fila para quem não conhece alguém influente na prefeitura é bem maior do que para aqueles que tem parentes ou amigos próximos, que trabalham no setor. O secretário de saúde Humberto Donizete nega que isto realmente aconteça em Patrocínio. Segundo ele, todos são tratados igualmente e não há pessoas passando na frente de outras por influência. E que o setor TFD respeita as leis normativas do SUS, passando na frente somente os casos mais urgentes independente do paciente conhecer ou não algum servidor público.

Segundo Humberto Donizete, em 2018 através do TFD, em média 60 pessoas por dia eram levadas para outros municípios para tratamento (consultas, exames e cirurgias), ou seja, aproximadamente 14.400 pessoas fizeram tratamento fora, com o auxílio da secretaria municipal de saúde de Patrocínio.

O secretário de saúde ressalta que, muitas pessoas culpam e julgam a secretaria de saúde, inclusive o setor TFD, por não conhecerem a realidade se tratando de recursos e normas a serem seguidas. “O grande problema, é que sempre as pessoas têm as suas prioridades como sendo maior do que a dos outros mas a secretaria se mantém fazendo um excelente trabalho, olhando não somente o tempo de espera mas principalmente as necessidades mais urgentes, conseguindo resolver muitas situações que estavam emperradas na fila”.

Diante dessa realidade, queremos saber de você patrocinense…

Qual sua opinião sobre a saúde pública do município? Deixe seu comentário e contribua para o desenvolvimento da cidade.

 

VEJA MATÉRIA COMPLETA NA EDIÇÃO IV DA REVISTA “MAIS PATROCÍNIO & REGIÃO”

Por | 2019-08-22T19:11:16-03:00 agosto 22nd, 2019|Patrocínio e Região, Saúde|0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixe um Comentário